quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Os Avós do Téo

A Sherol colocou há alguns posts abaixo os padrinhos do Téo, que segundo as tradições populares, são os "pais de reserva" da criança ;o) Ok, se você é padrinho ou madrinha de alguma criança deve ter se imaginado como um estepe no compartimento traseiro de um veículo não é, perdão pela analogia grosseira ;o)

O fato é que, tão importante quanto os padrinhos, são os avós. E posso afirmar a importância deles com total propriedade pois conheci apenas meus avós paternos, sendo que meu avô, se configura apenas como alguns flashes de memória pois quando faleceu eu ainda era pitoco. Minha avó materna sim, ainda tenho o prazer de conviver no auge dos seus noventa e poucos, mesmo ela residindo em Pelotas. De meus avós maternos, infelizmente, só conheço histórias e fotografias. A Sherol teve o prazer de conviver mais com seus avós e vejo por ela e pelos meus sobrinhos, a importância dessa convivência na vida das pessoas, mais especificamente, das crianças. Hoje a Sherol se encontra na mesma situação que eu, apenas sua avó paterna é viva e mora em Osório. 

Os avós do Teodoro, nossos pais, vieram de lugares diferentes e seguiram trajetórias diferentes em suas vidas. Para os que acreditam no destino e que existe uma conspiração do universo para nossa felicidade, observem que os pais da Sherol são de Osório e os meus de Pelotas. O resultado é que os frutos dessas uniões (leia-se Cris e Sherol), vieram a se conhecer numa danceteria de Porto Alegre e 3 meses depois já estavam compartilhando o mesmo teto. Seis anos depois, o Teodoro está pintando por aqui. 

Então esse post na verdade é apenas para agradecer pessoas diferentes que se relacionaram, que fizeram e continuam fazendo história e que não fugiram da responsabilidade de criarem os filhos. É baseado em vocês, nessa semente que vocês plantaram, no amor e dedicação que vocês tiveram por nós durante suas vidas, que nos consideramos pessoas felizes, saudáveis e emocionalmente completas, perfeitamente aptas a seguirmos nossos caminhos e retribuirmos ao mundo o que vocês plantaram, procurando seguir nossas vidas de maneira responsável e criando nosso(s) filho(s) com sabedoria. 

Dessas diferentes trajetórias, tivemos exemplos de criações magníficas, nem melhores, nem piores, mas complementares. Acreditamos cegamente que podemos absorver o melhor do que vocês puderam nos passar e a isso, agradecemos de coração o empenho de vocês. 

A prova disso é o nosso relacionamento com nossos respectivos sogros, pois como costumo comentar, tanto meu sogro, quanto minha sogra são meus "irmãos mais velhos", não só por serem jovens, mas dado o relacionamento que construimos ao longo desses 6 anos. Acredito que com a Sherol, não seja diferente.

Hércio Luís, pai da Sherol. 
Spk bem longe de dar um beijo no sogro mas bem próximo de levar  uma bifa...
Marta Janete, mãe da Sherol.
Sherol e Marta na barragem do Salto do Jacuí

Sherol e Hércio na Lagoa de Imbé
Flávio e Zilá, meus pais
Sherol com o sogrão
Seu Flávio, meu pai ;o)
Dona Zilá ou "minha godinha" ou simplesmente "mãe" ;o)

Mas além dos avós, o Teodoro também tem um "vôdrasto", que atende pelo nome de Dirlei. Por falar em relações construídas pelo respeito e exemplos de vida, não teria como deixá-lo de fora. É fato que ele não merecia muito aparecer aqui nesse espaço, pois trata-se de um mau-exemplo em questões futebolísticas, cogitando inclusive, dar uma camiseta do Inter para o meu filho, mas tirando essas pequenas falhas de caráter, acho que podemos conviver com isso ;o) 
Eu e Dirlei, vôdrasto do Teodoro.
Marta e Dirlei lá em casa degustando uma massa na cerveja
Vôdrasto Dirlei, Sherol e avô Hércio
 Flávio e Zilá, 44 anos de casados e 5 filhos depois...


Avós do Teodoro: Obrigado!

2 comentários:

Hercio disse...

Aki tem um detalhe. Sacanearam o avo Hercio, ele nao sabia destas fotos.

Hercio disse...

Aki tem um detalhe. Sacanearam o avo Hercio, ele nao sabia destas fotos.